interpretar hemograma veterinário exames veterinários

Descubra Hoje Mesmo Como Interpretar o Hemograma Veterinário Com 5 Dicas Simples

25 set
Postado por Marina Caxias Categoria: Blog

O hemograma veterinário é o exame laboratorial mais solicitado nas clínicas veterinárias, é recomendado que seja realizado a cada seis meses nos animais domésticos para prevenir o aparecimento de doenças.
Esse exame também é responsável por confirmar diagnósticos e mostrar alterações presentes no sangue, de acordo com o que é visto nas amostras se torna possível listar possíveis causas para a alteração.
Como normalmente a procura pelo veterinário se dá por notar alguma alteração comportamental ou no corpo do animal, o exame, junto com o relato do dono e a anamnese formam o diagnóstico.
Através do hemograma é possível detectar a presença de parasitas no organismo do animal e identificar qual a sua espécie, infecções por bactérias ou vírus e ainda se há algum processo inflamatório.
Mas é preciso entender que para cada uma desses problemas o resultado no exame será diferente, então é importante na hora de interpretar o exame saber reconhecer as alterações e o que elas representam.
Separamos 5 dicas de como interpretar o hemograma veterinário de forma rápida.

 

CURSO DE INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS VETERINÁRIOS – CLIQUE AQUI

 

1. Quando é solicitado um hemograma veterinário?

Antes de começar a analisar o exame é preciso conhecer em que tipo de situação o hemograma veterinário é solicitado, dessa forma a interpretação do exame se torna mais objetiva e direta.
-Em casos de cirurgias o hemograma veterinário é solicitado para garantir as condições necessárias para realizar o procedimento.
-Durante longos tratamentos a análise de exames pode ser solicitada para conhecer a resposta do animal ao tratamento.
-Confirmar diagnósticos de patologias veterinárias como anemia, alergias e dermatites.
-Como prevenção em animais saudáveis o hemograma pode ser feito a cada seis meses.

 

2. Hemácias ou parte vermelha:

Interpretar o Hemograma Veterinário hemácias analises clinicas veterinária
Imagem: https://www.medicalnewstoday.com/

As hemácias, que as células vermelhas, são a parte do sangue que tem como objetivo o transporte de oxigênio para todo o organismo, no exame a sua composição pode ser majoritariamente de células jovens ou de células maduras ou mostrar pouca presença dessas células vermelhas.
No caso da anemia é comum essas células se apresentarem em menor quantidade ou em tamanho reduzido em comparação com valor de referência.
Em casos de anemia em tratamento é possível ver um grande número de células jovens, esse aumento acontece para compensar o quadro anterior onde ou as células vermelhas estavam menores ou em pouca quantidade.
Com relação às hemácias precisamos analisar principalmente três itens: volume globular, hemoglobina e volume globular médio.

 

– Volume Globular
Mostra a proporção de hemácias para o volume sanguíneo. Taxas acima dos valores de referência podem indicar um quadro de desidratação e em casos de valor muito baixos pode indicar ser uma anemia.

 

– Hemoglobina
É a parte da hemácia que se liga ao oxigênio para que o transporte seja feito, é relatado nesse quesito a quantidade de hemoglobina presente no sangue, seus valores são muito usados para definir o volume globular médio que definirá a qualidade das células.

 

– Volume Globular Médio
Esse dado é obtido através de uma relação entre os dois primeiros itens, é o resultado da divisão da porcentagem de volume globular pela hemácia e mostra se a célula é jovem ou não, se os resultados forem altos, de acordo com os valores de referência, há uma presença de células jovem em maioria no sangue.

 

3. Leucócitos ou parte branca

O leucograma é o processo que analisa os leucócitos, a parte branca do sangue, que têm função de indicar a presença de infecções e processos inflamatórios no organismo do animal através da análise dos seus cinco componentes.

– Neutrófilos
São células produzidas pela medula óssea a partir de um estímulo indicando a presença de uma infecção, tem liberdade de percorrer todo o organismo para cumprir sua função de fagocitar o invasor. Fica com níveis aumentado na presença de bactérias e processos inflamatórios.

– Eosinófilos
Tem ação nos processos alérgicos, na presença de parasitas e em doenças dermatológicas, por isso nessas condições é comum ser encontrado no sangue em níveis elevados. Pode ter valores abaixo do normal em casos de estresse e alguns medicamentos.

– Basófilos
Tem relação com a histamina e a heparina nas alergias, seus níveis se encontram aumentados quando o animal entra em contato com algum agente alérgico.

– Monócitos
São os responsáveis por apresentar o invasor às células do sistema imune para que esses sejam fagocitados e eliminados, podem se encontrar com níveis aumentados em períodos de recuperação da doença ou níveis diminuídos durante o uso de alguns medicamentos.

– Linfócitos
Se torna ativo apenas depois que o organismo já reconhece o microrganismo, ou seja, quase sempre só age em caso de uma nova infecção, se mostra com níveis mais altos em testes contra todos os microrganismos aos quais já foi exposto e em níveis mais baixos em situações de estresse excessivo.

 

4. Plaquetas

As plaquetas são uma parte do sangue responsável pela coagulação sanguínea, na formação da inflamação e combate a infecções. A contagem de plaquetas é a avaliação feita em um hemograma veterinário.
Se a contagem for inferior aos valores de referência é sinal de que algo não vai bem, pode ser que o animal esteja com problemas como tumores ou hemorragias.
Se a contagem for superior aos valores de referência é possível que haja uma ferida ou uma inflamação no organismo do animal.

 

5. Alterações

alteração nos exames veterinários hemograma veterinário
Imagem: unidos.com.br

Alguns fatores podem influenciar os resultados apresentados no hemograma e é preciso ficar atento a eles para garantir que a interpretação seja mais correta possível.
– Problemas na coleta
Se durante a coleta de sangue para o exame de hemograma os cuidados que são necessários, como a higienização adequada do local e o armazenamento não forem feitos corretamente os resultados podem ser influenciados.

– Problemas com a amostra
Existem normas de como armazenar e preparar o conteúdo para a realização da análise clínica da amostra, esse preparo se feito da forma incorreta pode causar contaminação do produto e consequentemente alterações no resultado da análise.

– Problemas com o animal
Se o animal estiver estressado o número de plaquetas pode ficar aumentado. O uso de medicamentos pode causar aumento ou queda na contagem de plaquetas. Se o animal fizer atividades antes da coleta, como correr ou andar longas distâncias, a contagem das hemácias e hemoglobinas pode ficar diminuída.

Pode parecer bobeira mas cada detalhe faz toda a diferença, o diagnóstico de uma análise clínica veterinária interfere na conduta a ser tomada e por isso é tão importante que seja feito da maneira mais certeira possível.

É preciso sempre lembrar que um diagnóstico não pode ser feito baseado apenas em uma informação, o conjunto de análise clínica veterinária é que pode diagnosticar a verdadeira causa do problema.

Se você se interessou pelo assunto Clique Aqui e comece agora mesmo o Curso de Interpretação de Exames Laboratoriais Veterinários.

Você também vai gostar de ler:

Você Está Pronto Para Entender Hematologia e Bioquímica Clínica Veterinária de uma vez por todas? Confira essas dicas!

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.