replicação viral ciclo lítico e lisogênico ciclo de vida dos vírus

Ciclos de vida de vírus: ciclo lítico e lisogênico, modos de reprodução viral

09 jun
Postado por camila Categoria: Blog

Dentro das especialidades médicas, como a biomedicina, enfermagem, a própria medicina ou qualquer outra, a compreensão da dinâmica de vida dos vírus, é fundamental. Todo vírus, tem um determinado ciclo de vida, que depende de determinados fatores. Este ciclo de vida dos vírus, pode acontecer de 2 formas diferentes formas: o ciclo lítico e o ciclo lisogênico.

Para qualquer profissional da área, é fundamental compreender cada uma das diferenças, para que ele possa entender o contexto de tratamentos e como ocorrem determinadas infecções.

Os vírus são substâncias celulares que obrigatoriamente, precisam de uma célula hospedeira para sobreviver e se duplicar. Ou seja, eles são o que chamamos de parasitas intracelulares obrigatórios. Dessa maneira, todo o processo de ciclo lítico e lisogênico que iremos mostrar a seguir, ocorre em uma célula hospedeira!

ciclo lítico e lisogênico

Entenda o que é ciclo lítico e ciclo lisogênico

Tanto o ciclo lítico, como o ciclo lisogênico, estão diretamente relacionados com a forma como o vírus infecta e invade as células.

 

Ciclo lítico

No ciclo lítico, o vírus invade a célula hospedeira e interrompe as suas funções, graças a presença do ácido nucléico do vírus (DNA ou RNA). Somado a isso, de maneira concomitante, ao mesmo tempo que o DNA ou RNA é replicado, este ainda comanda a síntese das proteínas, que ao final do processo, irão compor o capsídeo.

Dessa maneira, são produzidos novos vírus. Neste processo, ocorre o que conhecemos como lise, que é quando a célula infectada se rompe, fazendo com que os novos bacteriófagos sejam liberados.

Os vírus que se reproduzem desta maneira, acabam gerando sintomas que aparecem imediatamente após o início do processo.

 

Ciclo lisogênico

No caso do ciclo lisogênico, o processo se modifica um pouco. Neste caso, o vírus invade a célula hospedeira (ou bactéria em alguns casos), e incorpora seu DNA ao da célula infectada. Ou seja, o DNA do vírus passa a fazer parte do DNA da célula infectada.

Com isso, uma vez que a célula foi infectada, ela continua com seu processo natural de reprodução celular. Mas agora ela está com o DNA modificado, contendo partes do vírus em questão. Durante o processo de divisão desta célula, há um processo de duplicação deste DNA modificado.

Dessa forma, uma célula que foi infectada, começará a reproduzir o vírus, sempre que esta passar por um processo de mitose. Com isso, todas as células reproduzidas por ela, já terão em seu código genético, o vírus em questão.

A diferença, no que se refere aos sintomas, no caso do ciclo lisogênico, é que estes podem demorar para se tornarem perceptíveis e notados. No geral, salvo algumas exceções, as doenças que são oriundas de vírus com reprodução através do ciclo lisogênico, não possuem uma cura. Isso, por que não há mais como isolar o vírus e eliminá-lo.

É importante perceber que não necessariamente, os vírus que se reproduzem através do ciclo lítico, são menos prejudiciais do que os que se reproduzem através do ciclo lisogênico.

Tudo vai depender do vírus e da forma como ele afeta o funcionamento fisiológico do organismo. Há vírus mais e menos potentes no que se refere aos impactos sobre a saúde.

Por isso, é fundamental que você, como profissional, saiba os principais exemplos de vírus que se reproduzem por meio de cada um destes ciclos.

 

Exemplos de vírus que se reproduzem através do ciclo lítico

Se formos analisar as doenças causadas por cada um dos tipos de reprodução dos vírus, veremos que temos representantes mais conhecidos em cada um deles. No caso do ciclo lítico, temos uma doença que com certeza, você já adquiriu: a gripe.

A Gripe é um caso clássico de ciclo lítico. Porém, a influenza, que é um tipo de gripe também, conhecida como H1N1, não possui um ciclo lítico, mas sim, lisogênico.

Outros vírus, causadores de doenças bastante conhecidas, também apresentam ciclo lítico na sua reprodução. Entre os mais comuns, temos:

– Varíola

A varíola é causada pelo vírus Orthopoxvirus, que é um dos maiores vírus que infectam os seres humanos. Foram encontrados vestígios deste vírus em múmias que datam do século 1.

Rinovírus

O rinovírus é um vírus altamente comum e tem como principal patologia, o resfriado. Porém, ele está diretamente associado a problemas com asma e fibrose cística também.

– Vírus sincicial respiratório

O vírus sincicial respiratório é o causador de doenças do trato respiratório, como a bronquiolite. Ele acaba afetando com mais intensidade, bebês.

– Vírus Norwalk

Este é um vírus que causa, entre outras patologias, gastroenterectite.

– Adenovírus

O adenovírus é causador de patologias das vias respiratórias, mas também causa doenças oculares e gastrointestinais.

– Sarampo e rubéola

O vírus do Sarampo tem sua reprodução através do sistema lítico. Por isso, ele pode ser tratado e prevenido, de uma forma um pouco mais simples. O mesmo ocorre com o vírus causador da rubéola.

– Rotavírus

O rotavírus é um dos principais causadores de doenças como a gastroenteretite.

– Poliomelite

A poliomielite é causada pelo vírus conhecido como polivírus. Ela pode gerar uma série de sintomas, como diarreia, vômitos e outros. Cerca de 1% das pessoas que adquirem a doença, acabam tendo problemas como a paralisia.

– Raiva

O vírus da raiva, transmitido principalmente pelo contato com animais, é outro exemplo de ciclo lítico. A raiva afeta diretamente o sistema nervoso central e as glândulas salivares.

– Ebola e dengue

Os vírus causadores do ebola e da dengue, também se reproduzem através de ciclos líticos. Estas doenças têm principalmente, a característica de atacar de forma hemorrágica diversas funções do organismo.

– Hepatite A e E

A hepatite é uma doença que causa inflamação do intestino e fígado.

Estes são alguns dos principais exemplos de vírus que tem como forma de reprodução, o ciclo lítico.

 

Exemplos de doenças com ciclo lisogênico

As doenças causadas pelos vírus que se reproduzem de forma lisogênica são caracterizadas por apresentarem mais dificuldade de cura. Mas isso, de maneira alguma é uma regra. Existem sim, vírus que se reproduzem de forma lisogênica, que podem ser curados, como é o caso do Varicella-Zoster (Catapora).

Veja agora, alguns outros exemplos de vírus lisogênicos:

– Herpes

A Herpes é uma doença que pode se manifestar de diferentes formas. No geral, ela causa feridas ao redor da boca ou dos genitais. As formas de tratamento do herpes podem variar, de acordo com a força do vírus e fatores individuais, como a imunidade.

– Varicela-Zoster (catapora)

A varicela-zoster é um vírus que causa a conhecida doença da catapora. Ela causa erupções cutâneas e no geral, ocorre com mais frequência em crianças.

– Papiloma Vírus

O papiloma vírus é o causador da HPV, doença que causa verrugas e em caso de mulheres grávidas, pode causar problemas para a formação do feto.

– HIV

O vírus da AIDS é mais um exemplo de vírus lisogênico. O vírus HIV, causador da AIDS, afeta diretamente o sistema imunológico. Não há cura para a ação do vírus no corpo, apenas formas de amenizar sua ação.

– Hepatite B

Uma forma mais intensa da doença, o vírus causador da hepatite B também é um exemplo de vírus lisogênico.

Estes são alguns dos exemplos mais comuns dos vírus com ciclo lítico e lisogênico. Um profissional da área da saúde, tem que entender as diferenças entre eles, pois a forma como os tratamentos são feitos, dependem de como o ciclo de vida destes vírus acontecem.

Se você quiser aprofundar mais seus conhecimentos, se tornando um profissional mais qualificado sobre o assunto, conheça nosso curso sobre Virologia: ciclo lítico e lisogênico (clique aqui).

Curso-de-introdução-à-virologia-hotmart-ciclo-litico-lisogenico-virus

Referências

http://www.biology.lifeeasy.org/2432/examples-of-viruses-that-go-through-lysogenic-cycles

http://www2.hawaii.edu/~johnb/micro/medmicro/medmicro.3.html

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.