Nitrito positivo na urina o que significa E nitrito ausente no exame de urina tipo 1 (EAS) ibap cursos

Nitrito positivo na urina: o que significa? E nitrito ausente no exame de urina tipo 1 (EAS)?

20 dez
Postado por Prof. Dr. Victor Proença Categoria: Blog

Olá, aqui é o Professor Victor Proença e nesse texto a gente vai conversar um pouquinho sobre a presença de nitrito no exame de urina tipo 1, ou nitrito positivo, traços de nitrito. Vai depender do laboratório, que utiliza os valores de referência que ele utiliza, tá.

 

Você pode assistir à versão em vídeo, que está acima, ou continuar abaixo para a versão em texto, com a transcrição do vídeo.

Se você gosta desse tipo de conteúdo clica aqui em curtir.

E já vai deixando aqui também o seu comentário sobre as suas dúvidas que você tem sobre exame de urina, tá.

Lembra também se inscrever aqui no canal do IBAP Cursos.

E ativar as notificações para que você possa receber todos os próximos vídeos que a gente tem aqui da nossa série de conteúdo sobre exame de urina.

A gente está falando todos os parâmetros aqui detalhadamente, um por um, para que você possa entender melhor o exame laboratorial.

Compreender de fato como que é esse exame, tá

nitrito positivo no exame de urina tipo 1 eas

(imagem: https://www.facebook.com/analiselaboratoriovca)

 

O que é nitrito urinário?


Então a primeira coisa, o que é nitrito urinário?

O que diz respeito a esse nitrito urinário?

Diz respeito, basicamente, à presença de bactérias, de uma maneira resumida, tá.

Então diversas bactérias convertem o Nitrato presente lá na urina em nitrito, tudo bem?

E aí você detecta o que?

Um produto do metabolismo do Nitrato que é decorrente da presença do que?

Dessas bactérias aqui, lá numa infecção do trato urinário, por exemplo.

A presença de nitrito na urina no exame de urina tipo 1 é um grande indicativo de presença de bactérias na urina, de infecção do trato urinário, tudo bem?

O nitrito urinário, basicamente, ele está associado a uma infecção do trato urinário, tá.

Aqui, claro, a gente não tá levando em conta se é infecção do trato urinário superior, inferior, se é pielonefrite, ureterite, cistite, uretrite, ou seja o que for.

Que a gente vai conversar em outras aulas aí com você, tá bom?

Mas é uma infecção do trato urinário de uma maneira geral.

 

Como o nitrito pode ser detectado no exame de urina tipo 1?


E aí como que pode ser detectado, então, o nitrito?

Por aquelas tiras reagentes lá, que você coloca lá, aquela fitinha, né.

E aí ela tem uma reação química que pode dar positivo se houver a presença de nitrito.

E ele detecta o que?

Mais infecções por bactérias gram-negativas.

Ah, mas por que isso professor?

Porque, em geral, é esse tipo de bactéria que converte o Nitrato em nitrito, tudo bem?

Essa conversão aqui de nitrato em nitrito, na urina, pelos chamados cocos gram-positivos não está bem estabelecida.

Então são algumas bactérias específicas.

Normalmente isso está relacionado com o que?

Bactérias gram-negativas.

nitrito na urina infecção bactéria

(imagem: https://img.medicalexpo.com/pt/images_me/photo-mg/91797-15072347.jpg)

 

Pode dar Nitrito negativo com infecção urinária por bactéria?


Professor, mas e se tiver, por exemplo, uma infecção por gram-positivo?

Pode ser que o nitrito, então, ele dê negativo, mas tem uma infecção?

Sim, essa é uma das perguntas aí que a gente tem mais para o final da aula.

Mas basicamente, é uma garantia nitrito positivo, que tenha uma infecção?

Não, tá

Mas ele apresenta grande sensibilidade, grande especificidade, para infecções.

Por quê

Porque muitas das infecções do trato urinário são de bactérias gram-negativas.

Mais especificamente, da Escherichia coli.

Então, em muitos casos, a gente vai ter nitrito Positivo na urina.

Tudo bem?

Então, resumindo, as bactérias fazem a conversão de nitrato em nitrito.

E é isso que a gente detecta no exame de urina tipo 1.

Mais especificamente na parte de reações químicas, na parte de exames químicos da urina, tudo bem?

 

Quais bactérias transformam nitrato em nitrito na urina?


Agora, mais especificamente, quais são as bactérias, então, que transforma o nitrato em nitrito na urina, tá?

Então, basicamente, as bactérias que reduzem o Nitrato para nitrito são Escherichia coli, ou E. coli, a gente fala assim muitas vezes, tá.
KLebsiella, Enterobacter, Proteus e Pseudomonas, tá.

Então, se você dá lá, faz o exame de urina tipo 1, ainda na parte química, ainda, né.

Ou ainda, sei lá, na parte física você vê que ela tá turva, você não consegue enxergar o fundo, ali, adequadamente.

Ela não está com aquele Amarelo citrino, ela tem um cheiro forte, tá.

Pode ter presença de leucócitos, presença de, por exemplo, hemácias.

Então se isso tudo tiver acontecendo e der, por exemplo, presença de nitrito, o que que vai acontecer.

A gente já desconfia que possa ser alguma bactéria dessas que a gente está citando aqui, tudo bem?

Ah, professor, mas que e se tiver uma outra infecção, por exemplo, por Enterococcus fecalis, por exemplo?

Essa bactéria não reduz Nitrato em nitrito, tudo bem?

Aqui é só um exemplo de uma bacterioscopia urinária, mostrando vários bacilos aqui.

Mostrando a presença dessas bactérias na urina, tá?

 

Valor de referência de nitrito no Exame de Urina Tipo 1  


Legal, qual que é o valor de referência, então, de nitrito na urina?

Você, basicamente, não tem infecção.

As pessoas não têm a presença excessiva, né, fora da uretra, ali, por exemplo.

Mais internamente na bexiga, por exemplo, de bactérias.

Então eu não tenho a conversão de nitrato em nitrito, o valor de referência, então, normal, vai ser negativo.

Tudo bem?

Ah, mas e se tiver a presença de bactérias que convertem?

Então, aí nesse caso, você pode ter um resultado aqui positivo, que pode, em alguns casos, ser dado em cruzes, também, uma cruzinha, duas cruzinhas, depende do tipo de laboratório, tá.

E aí, nesse caso, a gente pode ter, por exemplo, uma infecção mesmo do trato urinário.

Ou ainda, se o paciente não tiver sintomas característicos de infecção, você pode ter ainda uma bacteriúria assintomática, que a gente diz, tá.

Que é a presença de bactéria, mas que não tá levando à urgência miccional, à polaciúria.

Que é ter vontade de ir várias vezes ao banheiro, entre outras características relacionadas com uma infecção do trato urinário.

Ardência uretral ao urinar, por exemplo, tá.

Então tudo isso aí seriam sintomas que o médico pensa já num possível diagnóstico e pensa, por exemplo, nessas bactérias causando essa infecção.

Mas se o paciente não tem esses sintomas, mas tem bactéria.

Deu, por exemplo lá, nitrito positivo, pode ter dado até em alguns casos, presença de leucócitos, por exemplo, mas não tem sintomas característicos de uma infecção urinária, o médico já suspeita de uma bacteriúria assintomática, tudo bem?

Então para a gente fechar aqui, olha.


Veja esses cursos, com certificados, que você pode gostar:

IBAP CursosIBAP CursosIBAP CursosIBAP CursosIBAP Cursos


Outras perguntas frequentes sobre nitrito urinário


Eu posso confirmar uma infecção só com o nitrito positivo?


Não, porque a gente acabou de falar, por exemplo, se der nitrito positivo, pode ser a presença de bactéria, ok.

Mas pode ser da própria microbiota, daquela região da uretra ou periuretral, que a gente diz, tá.

E não necessariamente uma infecção urinária propriamente dita.

Pode ser até, às vezes, uma contaminação que foi decorrente de uma coleta inadequada.

 

Eu posso descartar uma infecção só com o nitrito negativo?


Também não, porque a gente citou que existem bactérias por exemplo gram-positivas, cocos, por exemplo, que não convertem Nitrato em nitrito, mas podem levar a uma infecção, tudo bem?

Tá, Professor!

Mas, então, o que que eu faço?

Você analisa os outros parâmetros.

Você analisa leucócito, que apresenta uma grande sensibilidade.

Você analisa se tem presença, por exemplo, de células epiteliais, na sedimentoscopia.

Se tem presença de sangue, hemácias, hemoglobina, de uma maneira geral.

E é claro, como a clínica é sempre soberana, o médico já vai pensar nisso.

Se tem sintomas de uma infecção urinária, ou se não tem nada.

Foi ao acaso que isso foi detectado aqui, por exemplo.

Então, um parâmetro isolado, a gente não consegue chegar à conclusão nenhuma, basicamente.

Na maior parte das vezes, né.

A gente pode ter uma ideia do que pode estar acontecendo, mas normalmente o que se faz?

O médico com a experiência que ele tem da anamnese e da conversa toda que ele teve com o paciente, ele associa isso com o resultado de um exame Laboratorial.

Que aqui, na verdade, eu ainda nem estou identificando a bactéria, porque é um exame preliminar.

E aí com base nisso, tem sintomas, tem presença de bactéria, que é a bacteriúria, tem leucócito, tem sangue, tem nitrito positivo, por exemplo.

Isso tudo já leva o médico a pensar que tem uma infecção do trato urinário.

Então vamos lá iniciar o protocolo de tratamento para esse paciente, tudo bem?

 

Se o médico não sabe qual é a bactéria, como ele faz o tratamento da ITU?


Professor, mas se ele não sabe ainda qual que é a bactéria, como é que ele faz o tratamento?

Porque normalmente ele faz o tratamento mais direcionado para bactérias que são de amplo espectro, né.

Mas, normalmente, para enterobactérias, bactérias gram-negativas, como, por exemplo, Escherichia coli, tudo bem?

Se o problema persistir, aí o paciente retorna depois de uns quatro dias, aproximadamente.

Faz uma nova coleta, um novo exame, e aí nesse caso muitas vezes já faz a urina tipo 1, ou EAS, né.

Tanto faz, ou urina de rotina, para verificar toda essa parte de exame físico, exame químico e exame microscópico da urina.

E aí também se faz uma urocultura, que aí é o padrão Ouro Para o diagnóstico de infecções, principalmente decorrentes de bactérias.

Mas também de fungos e outros tipos de infecções, tudo bem?

Se faz uma urocultura, e aí lá a gente faz nas plaquinhas de Petri, semeadura, todo aquele procedimento, lá.

E, por fim, se for com um antibiograma, a gente verifica se a bactéria é resistente ou não resistente a determinados tipos de antibióticos, tudo bem?

Então, dessa maneira, a gente consegue saber qual é o nomezinho da bactéria, que é o gênero e espécie.

E se essa bactéria ela é resistente a determinado tipo de antibiótico.

Então, aí nesse caso, o diagnóstico, ele é muito mais específico, tudo bem?

Mas isso é solicitado em alguns casos dependendo do fluxograma que o médico tem de tratamento para esses pacientes, dependendo da idade, também.

Tem vários motivos aí que vão levar ao direcionamento, ao raciocínio clínico que o médico tem nesse momento, tudo bem?

 

Gostou? Deixe um comentário!


Se você gostou desse conteúdo, clica aqui em curtir.

Deixa aqui já um comentário, gostei, não gostei, olha professor fala sobre qualquer outro assunto, aí.

Sobre nitrito, sobre bactéria na urina, sobre leucorreia, sei lá.

Fala sobre algum assunto específico ou escreve aqui nos comentários, tá.

Lembra também de se inscrever no canal do IBAP Cursos e ativar as notificações para receber todos esses vídeos aqui dessa série de exames de urina ,de uma maneira geral, microbiologia etc.

Que a gente está fazendo, tá.

 

Conheça o Passaporte IBAPFLIX

Passaporte IBAPFLIX

E para a gente terminar aqui eu te convido a conhecer o Passaporte IBAPFLIX, que é a nossa plataforma de assinatura dentro da área da saúde.

De cursos certificados, tá.

Obviamente cursos de micro, imuno, parasito muito maiores aqui do que essa aula que é um pouquinho mais curta e direcionada para te mostrar como que são alguns desses assuntos que você tá procurando.

E para você também despertar o seu interesse em estudar mais sobre esses assuntos.

E obviamente receber um certificado.

Lá você tem acesso a mais de 50 cursos, tá.

Eu citei algumas áreas, mas Análise Clínica, interpretação de exames laboratoriais, bioquímicos, hemograma, entre outros tipos de exames, tá.

São videoaulas, materiais complementares, o certificado que você pode salvar em PDF, imprimir, colocar lá no seu currículo, LinkedIn.

Apresentar na sua faculdade para horas complementares e até mesmo, por exemplo, para conseguir uma promoção de carreira, uma progressão aí, ou seja lá o que for.

E, obviamente, né para que você possa adquirir mas conteúdo, treinar os conteúdos dentro da área da saúde e área biomédica, tá bom?

Então é isso aí.

Meu nome é Victor Proença, muito obrigado por você me assistir até agora.

Clica aqui na descrição ou nos comentários desse vídeo que você encontra o link aqui.

Muito obrigado, um abraço e até a próxima aula.

 

Você também pode se interessar:

Curso de Hematologia Oncológica

Curso de Noções em Reprodução Humana Assistida

Curso de Diagnóstico Laboratorial do Diabetes Mellitus

Curso de Interpretação do Hemograma

Passaporte de cursos: mais de 1.500 horas certificadas

 

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.