Fonte de infecção no sangue pode está ligada a 15 mortes em Wisconsin

19 jun
Postado por Categoria: Blog

Existem casos que valem à pena ser relembrados. Em 2015 uma infecção de sangue chocou Wisconsin!

CDC americano (Centro de Controle de Doenças) enviou mais pesquisadores Wisconsin, o objetivo é encontrar a fonte de uma infecção no sangue que os oficiais descreveram como o maior surto da bactéria agora ligados a pelo menos 15 mortes.

As autoridades de saúde de Wisconsin disseram em seu site que o número total de casos notificados agora está em 48. As infecções foram centradas no sudeste do estado, incluindo a área de Milwaukee e os condados vizinhos e suburbanos.

Especialistas em doenças infecciosas esperam encontrar mais infecções, porque os prestadores de cuidados de saúde foram alertados para procurar a bactéria chamada Elizabethkingia – nomeada de Elizabeth O. King, a bacteriologista do CDC que estudou a meningite em crianças.

Autoridades de saúde inicialmente relataram que a bactéria tinha ligação com 18 mortes, mas o estado do Departamento de Serviços de Saúde revisou esse número para 15. Os funcionários da agência disseram que não podiam confirmar que uma pessoa com Elizabethkingia tinha morrido e que havia recebido relatos duplicados e incorretos de várias fontes. Eles enfatizaram que não está claro se a infecção causou a morte.

O organismo é comum no meio ambiente, incluindo na água e no solo, mas raramente causa infecções, disse Bell. E porque os casos testados até agora provêm da mesma genética “impressão digital”, os investigadores procuraram uma fonte comum, acrescentou.

Bell disse que os casos de Wisconsin são o maior surto de Elizabethkingia já registrado.

“Este é essencialmente dez vezes o que nós esperamos ver”, disse Bell.

 

O risco de contaminação:

infecção-no-sangue

A maioria dos pacientes infectados possuí 65 anos ou mais, com uma história de pelo menos uma doença grave subjacente, de acordo com o departamento de saúde do estado. Todos os que morreram testaram positivo para a infecção, mas não se sabe se Elizabethkingia causou ou contribuiu para a morte.

“Normalmente seria em um ambiente hospitalar onde existiria uma população suscetível”, disse a Dra. Nasia Safdar, professora de doenças infecciosas da Universidade de Wisconsin-Madison. “É estranho que tantas pessoas estejam envolvidas. É um grande surto para este tipo de bactéria”, completou Safdar.

No contexto dos cuidados de saúde, a bactéria foi isolada no abastecimento de água do hospital, pias, solução salina utilizada para a lavagem procedimentos, desinfetantes e dispositivos médicos, incluindo tubos de alimentação, cateteres arteriais, e respiradores, de acordo com o Indian Journal of Critical Care Medicine.

O organismo pode sobreviver no abastecimento de água municipal tratada com cloro, muitas vezes gerando colônias em bacias de pia e torneiras, tubos de intubação, humidificadores, incubadoras para recém-nascidos, caixas de gelo e seringas, e ela se torna o ambiente hospitalar em um reservatório potencial para infecções.

Após os primeiros casos que foram notificados e as autoridades de saúde estaduais notificando parceiros locais, o número de casos começou a crescer de forma constante, com uma que remonta a Novembro de 2015. Os sintomas incluem febre, falta de ar, arrepios ou erupções cutâneas, disseram autoridades de saúde.

 

Fonte: http://www.foxnews.com

 

Por: Marina Caxias | Texto Aprovado pelo Conselho Científico do Instituto Biomédico – IBA

 

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.