Tudo sobre o desenvolvimento de vacinas: o que são, quais os tipos e como são feitas

27 jul
Postado por IBAP Cursos Categoria: Blog

Apesar de causar muito medo – em crianças e adultos – as vacinas possuem uma grande importância para a saúde pública. Por isso, é fundamental acompanhar o calendário de vacinação e não perder nenhuma campanha de vacinação. Confira esse artigo sobre o que são vacinas e qual a sua importância para a saúde.

O que são vacinas?

As vacinas são algumas das substâncias mais importantes da sociedade, pois elas atuam diretamente na prevenção de doenças. Sendo assim, são formas de evitar epidemias ou sofrimento pessoal com doenças e tratamentos. As vacinas agem contra vírus e bactérias que geram diferentes patologias ao corpo humano.
Além disso, a vacina pode chegar a erradicar doenças de uma sociedade. Afinal, ao ter pessoas imunes, a doença para de ser transmitida. Um caso muito famoso na história é a erradicação da varíola, em 1977.
As vacinas ajudam o organismo humano a ficar protegido de vírus e bactérias causadores de doenças. Talvez algumas pessoas não saibam, mas há certos tipos de vacina que são administradas por via oral, além das famosas injeções que são aplicadas no braço, ou em outras regiões do corpo.
Os laboratórios produzem a vacina a partir dos próprios organismos causadores das doenças, mas enfraquecidos, mortos ou com algum derivado deles. Primeiro, os vírus são injetados em células animais, como as de um ovo de galinha. Depois que se proliferam, passam por um processo de enfraquecimento, ou seja, não irão mais causar a doença. Entretanto, continuam fazendo com que o organismo desenvolva anticorpos.
Ao ser aplicada a vacina no ser humano, o organismo começa a se defender daquele vírus ou daquela bactéria (mas que não possui “força” para causar a doença). Assim, a pessoa produz anticorpos antes mesmo de ter a doença, se tornando imune a ela.
Algumas pessoas podem apresentar reações adversas às vacinas, que podem variar de acordo com o tipo de medicamento aplicado. Entre os principais sintomas da vacina, podem se destacar: dor e inchaço no local da injeção, além de uma vermelhidão; coceira; dor de cabeça; febre; fadiga. Em caso de reação, um profissional de saúde competente deve ser procurado imediatamente.

Campanha de Vacinação

Um posto de vacinação atua a partir de campanhas, ou seja, períodos em que a população é convidada a tomar os medicamentos para prevenção de doenças. A campanha de vacinação é uma ação pública, ministrada pelos governantes municipais ou estaduais.
Muitas vezes, a divulgação não chega a todos. Por isso, é importante acompanhar jornais locais e informativos da Prefeitura – como o site oficial, onde pode ser encontrado o calendário de vacinação. Ir ao posto de vacinação mais perto de casa, com certa frequência, também é uma forma de acompanhar a campanha de vacinação.
Algumas vacinas estão sempre disponíveis, e não possuem períodos especiais no calendário de vacinação. Essas vacinas, geralmente, estão relacionadas à idade do paciente. Para isso, é importante consultar uma profissional do posto de vacinação para ter mais informações.

 

Posto de vacinação

Os postos de vacinação ficam espalhados em hospitais, postos de saúde e podem até ser móveis. Às vezes, uma campanha de vacinação pode acontecer em posto de vacinação móvel, em escolas ou até ambientes de trabalho. Por isso é importante acompanhar o calendário de vacinação do Ministério da Saúde.
A população também deve cobrar governos municipais por um maior engajamento e melhorias nos postos de vacinação. Sendo assim, se um tipo de vacina não chegar à região, a prefeitura deve ser cobrada.

 

Tipos de vacina

Há diversos tipos de vacina, cada uma irá agir na prevenção de uma doença específica. Confira a seguir:

 

Vacinas para crianças

• Vacina contra a tuberculose: A vacina é feita por meio de injeção, e deve ser tomada por todas as crianças. A tuberculose é uma doença que atinge principalmente os pulmões e é contagiosa, sendo assim, a prevenção é extremamente importante.
• Vacina contra Poliomielite ou Paralisia Infantil: O medicamento é administrado por via oral (a famosa “gotinha”). A vacina deve ser tomada por crianças a partir de dois meses e até os cinco anos, em três doses.
• Vacina contra difteria, tétano, coqueluche e meningite: Essa vacina é uma combinação contra todas essas doenças. A injeção deve ser aplicada em todas as crianças, ao dois, quatro e seis meses. Aos 15 meses, a criança deve tomar uma dose de reforço.
• Vacina contra Sarampo, rubéola e caxumba: A vacina deve ser aplicada em todas as crianças, aos 12 meses.
• Vacina contra Hepatite B: A vacina deve ser aplicada em todas as crianças. Há três doses: a primeira na maternidade, a segunda com um mês e a terceira com seis meses de idade.
• Vacina contra a febre amarela: Essa vacina deve ser tomada por crianças que estão em localização de risco ou que vão viajar para essas localidades.

 

Vacinas para adolescentes

• Vacina contra difteria e tétano: A vacina deve ser tomada por todos os adolescentes que não tiveram ainda a aplicação da dose. Não há idade certa para isso, mas quanto antes melhor.
• Vacina contra a febre amarela: A regra é a mesma das crianças, irá depender da região do adolescente ou uma viagem. É preciso consultar um profissional do posto de vacinação para obter informações mais detalhadas sobre regiões endêmicas.
• Vacina Contra Hepatite B: Adolescentes até os 19 anos que ainda não foram vacinados devem procurar um posto de vacinação.
• Vacina contra sarampo e rubéola: Deve ser aplicada em todos os adolescentes que não foram vacinados quando crianças.

Vacinas para adultos

● Vacina contra difteria e tétano.
● Vacina contra febre amarela.
● Vacina contra sarampo e rubéola

Vacina para Mulheres grávidas

As mulheres grávidas devem ter uma atenção especial para a vacinação. Neste período a mulher deve tomar a vacina contra difteria e tétano. O medicamento é aplicado por injeção via intramuscular, no braço ou lateral da coxa.
A vacina deve ser aplicada em gestantes que não estão em dia com a vacinação, já que ela é recomendada para todas as mulheres de 12 a 49 anos de idade. Durante a gravidez, a mulher deve tomar duas doses do medicamento.
É importante consultar o ginecologista, durante o pré-natal. A mulher deve calcular o período da gravidez, já que a segunda dose deve ser aplicada, no máximo, 30 dias antes do parto. Essa medida irá proteger o bebê contra o tétano neonatal, doença popularmente conhecida como o mal dos sete dias. Já a mulher ficará imune ao tétano.
Após o parto, a mulher ainda deve tomar uma terceira dose da vacina. Por isso, é importante fazer uma visita ao posto de saúde após o nascimento do filho. Gestantes com a vacinação em dia devem tomar apenas uma dose de reforço, isso se a última dose tiver sido aplicada há mais de cinco anos.
Mulheres com o medicamento em dia, e com a última dose aplicada há menos de cinco anos, estão protegidas – assim como os bebês. Mas devem tomar um reforço a cada 10 anos.
O tétano neonatal é uma doença infecciosa. Essa infecção é causada por uma substância tóxica do bacilo tetânico, que pode invadir o organismo da criança pelo coto do cordão umbilical. A infecção atinge o sistema nervoso do bebê. Dessa maneira, a criança terá dificuldades para mamar, e apresentar contrações e espasmos. Há risco de morte.

Vacinas para os Idosos

Na terceira idade, as pessoas também precisam de certos cuidados especiais. Isso porque a saúde dos idosos acaba ficando mais frágil. Para eles, há vacinas específicas também. Confira:
• Vacina da Gripe (Influenza): A vacina deve ser aplicada em pessoas com mais de 60 anos. A campanha de vacinação ocorre todos os anos, nos meses de Abril e Maio, no outono, estação que precede o inverno – período no qual ocorrem mais casos de gripes. É recomendado que os idosos tomem o medicamento uma vez por ano.
• Vacina contra Pneumonia: A vacina é indicada para pessoas com mais de 60 anos em situações de maior risco, ou seja, idosos que vivem instituições fechadas, como casas de repouso, ou hospitais. O idoso deve tomar uma dose de reforço a cada cinco anos. A campanha da vacinação ocorre nos meses de abril e maio.
• Vacina contra difteria e tétano: A vacina deve ser aplicada em idosos que não tomaram durante a fase adulta.

Se você deseja saber mais informação sobre o desenvolvimento de vacinas, confira no site do IBAP Cursos nosso Curso de Desenvolvimento de Vacinas. É só clicar na imagem abaixo.
Fique por dentro das novidades e compartilhe-as com os seus amigos nas redes sociais.

 

Referências

1. http://www.tribunapr.com.br/noticias/curitiba-regiao/saiba-como-proceder-em-casos-de-reacao-a-vacina-da-gripe/
2. http://www.mdsaude.com/2009/05/vacinas-calendario-de-vacinacao-efeitos.html
3. http://clinicatiocecim.com.br/blog/vacina-da-gripe-funciona/
4. http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-04/h1n1-entenda-como-funciona-vacina-da-gripe
5. http://www.dgabc.com.br/Noticia/100900/como-e-feita-a-vacina-
6. http://www.drakeillafreitas.com.br/reacoes-adversas-a-vacina-da-gripe/

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.