exame colinesterase sérica colinesterase plasmática enzima acetilcolinesterase

Colinesterase plasmática e eritrocitária: qual a diferença entre elas e para que serve esse exame?

18 ago
Postado por Marina Caxias Categoria: Blog

Neste artigo vamos explicar as diferenças entre a colinesterase plasmática e eritrocitária. Também vamos explicar qual a relação com as intoxicações por organofosforados e para que serve o exame de sangue de colinesterase.  

Iremos abordar as seguintes questões neste artigo:

1. O que é colinesterase?

2. Quais os tipos de colinesterase?

3. Onde podemos encontrar colinesterase?

4. Quais as diferenças entre colinesterase plasmática e eritrocitária?

5. Para que serve o exame de colinesterase?

6. Colinesterase alta, o que pode ser?

7. Colinesterase baixa significa o quê?

 

Boa leitura!

 

Curso de Bioquímica Clínica Laboratorial – 60 Horas Certificadas (clique aqui)

 

O que é colinesterase?

Colinesterases são enzimas pertencentes ao grupo das hidrolases, as quais catalisam a hidrólise dos ésteres de colina. Essas enzimas são primordiais na regulação dos impulsos nervosos por meio do processo de degradação da Acetilcolina, nas junções neuromuscular e nas sinapses nervosas. A acetilcolina apresenta um ciclo de renovação, de modo que, ao entrar em contato com seus receptores específicos, desencadeiam importantes respostas celulares. Após ligação à esses receptores, a acetilcolina é degradada pela Acetilcolinesterase (AChE) em: acetato e colina. Essas substâncias por sua vez, são encaminhadas à neurônios para formação de outras acetilcolinas, fechando dessa forma, um ciclo de produção intracelular desse importante neurotransmissor, bem como na comunicação célula-célula.

Quais os tipos de colinesterase e onde podemos encontrá-las?

As colinesterases (Figura 1) são classificadas em dois tipos distintos: acetilcolinesterase (AChE) e pseudocolinesterase (butirilcolinesterase). A AChE denominada de colinesterase verdadeira é produzida e transportada pelos eritrócitos, também denominada de colinesterase eritrocitária. Encontra-se presente nos músculos estriados e nos tecidos nervosos, sendo essencial na distribuição da acetilcolina durante as sinapses nervosas. Por outro lado, a pseudocolinesteerase, denominada de butirilcolinesterase (BChE) ou colinesterase plasmática é sintetizada no fígado e está presente no pâncreas, intestino delgado, sistema nervoso central e periférico.

enzima colinesterase organofosforado

Figura 1: representação gráfica da enzima colinesterase (fonte: https://br.depositphotos.com).

 

Quais as diferenças entre colinesterase plasmática e eritrocitária?

As diferenças entre colinesterase plasmática e eritrocitária são aplicadas no diagnóstico após exposição a compostos organofosforados e carbamatos, os quais são amplamente utilizados como inseticidas. Esses compostos apresentam a capacidade de se ligar às AChEs e inativá-las. Dessa forma, o processo de degradação da acetilcolina e renovação de sua produção é interrompido, resultando no acúmulo desse neurotransmissor na fenda sináptica (Figura 2). Esse acúmulo de acetilcolina na fenda sináptica, também denominado de síndrome colinérgica, promove diversos sinais clínicos, tais como: dilatação das pupilas, confusão mental, salivação excessiva, entre outros.
Uma das principais diferenças entre as colinesterases supracitadas, é o tempo de meia-vida, que são diferentes para os dois tipos de enzimas. Dentro do contexto de intoxicações, essa diferença no tempo de meia-vida possibilita o acompanhamento temporal de exposição aguda e crônica a agentes toxicantes, como inseticidas.

colinesterase organofosforado colinesterase

Figura 2: Representação esquemática do funcionamento e inibição da enzima acetilcolinesterase (AChE) por compostos organofosforados. À esquerda temos a representação da interação neuronal, durante a sinapse química. No centro, a representação do funcionamento normal da AChE e degradação da acetilcolina. A direita, a representação na inibição enzimática e consequente bloqueio da degradação da acetilcolina (Fonte: https://www.nanocell.org.br).

 

Para que serve o exame de colinesterase?

O exame de colinesterase é importante durante a avaliação de pacientes com suspeita de intoxicação, bem como no acompanhamento ocupacional de trabalhadores expostos a inseticidas (Figura 3), os quais não apresentam níveis de colinesterase eritrocitária, seguido de níveis reduzidos de colinesterase sérica ou plasmática. Além disso, o acompanhamento dos níveis séricos é empregado em casos de doenças hepáticas e no diagnóstico de neoplasias, abscessos e em casos de insuficiência cardíaca congestiva.

colinesterase organofosforado acetilcolinesterase trabalhador inseticida

Figura 3: Trabalhador realizando a aplicação de inseticidas (fonte: https://www.diariodasaude.com.br).

 

O acompanhamento dos níveis de colinesterase sérica em pacientes com hepatopatias também pode ser utilizado como indicador de prognóstico. Por outro lado, níveis baixos podem ser indicativos de estados de desnutrição, anemias, infecções agudas, entre outros sinais clínicos. Por outro lado, níveis altos desse marcador podem estar associados a quadros de síndrome nefrótica, obesidade e diabetes.
Diante do exposto, o acompanhamento dos trabalhadores expostos a esses compostos potencialmente tóxicos, por meio de exames periódicos, além de subsidiar dados sobre toxicologia ocupacional, saúde do trabalhador e condições de proteção, também possibilita controle de exposição, proporcionando maior controle no uso desses agentes. Por outro lado, faz-se necessário que nossa legislação seja mais eficiente para que a comercialização desses produtos seja mais controlada, de modo a proporcionar menos impacto ambiental, além de assegurar a vida desses profissionais constantemente expostos.

Referências:

Amaral DA. Intoxicações por agrotóxicos: diagnóstico e tratamento. Centro de Informações Toxicológicas: Florianópolis, 1998.

Ellenhorn’s medical toxicology. Diagnosis and treatment of human poisoning. second edition. New York; 1997.

Goodman Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica. 8ª edição. RJ. ed. Guanabara Koogan; 1991. p 85 a 107.

Koureas, M., et al., Systematic review of biomonitoring studies to determine the association between exposure to organophosphorus and pyrethroid insecticides and human health outcomes. Toxicol Lett, 2012. 210(2): p. 155-68.

Oliveira-Silva, J.J., et al., Cholinesterase activities determination in frozen blood samples: an improvement to the occupational monitoring in developing countries. Human & Experimental Toxicology, 2000. 19: p.173-177.

 

Autora

Jaqueline Rodrigues da Penha

Biomédica, Especialista em Ciências Forenses – Perícia Criminal, Mestre em Ciências Farmacêuticas, Especializanda em Análises Clínicas e Toxicológicas (em andamento).

 

Você também vai gostar de ler:

Enzimas Hepáticas e Outros Marcadores Bioquímicos de Lesão Hepática e Biliar

Enzimas alteradas no exame de sangue – clique e descubra a importância!

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.