Você sobreviveria a um AVC? Simples teste pode dizer!

Você sobreviveria a um AVC? Simples teste pode dizer!

21 maio
Postado por Categoria: Blog

Um teste simples pode identificar em pacientes de AVC o risco de ter outro evento cardiovascular. A pesquisa foi publicada na American Heart Association, em 2009. O estudo foi financiado pela BMS/Sanofi Pharmaceuticals.

De acordo com o estudo publicado na Journal of the American Heart Association, em 2009, medir a circulação através do tornozelo usando um dispositivo semelhante a um manguito de pressão arterial, pode ajudar a identificar um grupo muito maior risco de eventos cerebrovasculares subsequentes na presença de uma doença arterial periférica assintomática (PAD – Sigla inglesa) em um acidente vascular cerebral e em sobreviventes de ataque isquêmico transitório (TIA – Sigla Inglesa).

O índice braquial do tornozelo (ABI – Sigla inglesa) compara o fluxo de sangue no tornozelo e do braço para detectar má circulação causada pela formação de placas de gordura na parte inferior do corpo. Os pesquisadores usaram isso em 102 casos de sobreviventes de AVC e TIA. Os pesquisadores descobriram que 26% dos sobreviventes tinha PAD assintomática, e eles tiveram três vezes mais eventos cardiovasculares subsequentes – acidentes vasculares cerebrais, ataques cardíacos ou morte – nos dois anos seguintes em comparação com aqueles sem apresentar os sintomas de PAD. 50% dos pacientes com PAD assintomática sofreram com eventos subsequentes, em comparação com 16% das pessoas sem a doença. Além disso, a PAD foi significativamente associada com futuros eventos vasculares, especialmente aqueles em curso.

AVC011

De acordo com os pesquisadores, esse foi um dos primeiros estudos feitos para encontrar uma associação positiva independente entre PAD assintomática e em eventos cardiovasculares entre os doentes com AVC e TIA.

A PAD ocorre quando as artérias nas extremidades ficam obstruídas por placas de gordura. Dor nas pernas, cãibras, fraqueza e claudicação durante o esforço físico são os principais sintomas, mas pesquisas mostraram que até um terço dos pacientes nunca dizem para os seus médicos sobre esses sintomas, e menos da metade dos clínicos gerais costumam perguntar sobre o assunto.

“A medida do AIB pode ser apropriada para o rastreio de acidente vascular cerebral / TIA em pacientes que podem vir a ter alto risco de eventos vasculares”, disse o pesquisador Souvik Sen, MD, MPH, e diretor do Centro de Estudos de AVC da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill. “O teste é facilmente realizado em menos de 15 minutos no consultório do médico ou na cama no caso de pacientes hospitalizados”.

 

·        Disclaimer (Aviso legal):

As declarações e as conclusões presentes no estudo dos autores, publicado na revista científica American Heart Association, são apenas de responsabilidade de seus respectivos autores, e não necessariamente refletem a política ou a posição da associação. A associação não faz nenhuma representação ou garantia quanto à sua precisão ou confiabilidade. A associação recebe financiamento principalmente de indivíduos; fundações e empresas (incluindo farmacêuticos, fabricantes de dispositivos e de outras empresas), também fazem doações e financiam programas e eventos da associação em específico. A associação tem políticas estritas para impedir que essas relações possam influenciar o conteúdo cientifico das pesquisas.

 

Fonte: www.eurekalert.org

 

Por: Marina da Silva Caxias | Texto Aprovado pelo Conselho Científico do Instituto Biomédico – IBAP

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.