vacina-microbiologia

Vacina inativada, como funciona?

14 set
Postado por Categoria: Blog

Diferentemente da vacina atenuada, a vacina inativa não é composta por microrganismos ativos. A principal característica desse tipo de vacina é que sua fabricação se dá pela morte ou inativação quase completa dos vírus e bactérias de sua composição, diminuindo muito o risco de sua aplicação, visto que os seres inseridos no corpo humano são incapazes de provocar uma contrarreação que possa vir a afetar o corpo humano.

Devido a essa característica, de trabalhar com microrganismos completamente incapacitados de provocar sintomas de uma doença, a vacina inativada não tem um poder de longevidade, proporcionando efeitos imunológicos de baixa intensidade. Por causa disso o ciclo de aplicação desse tipo de vacina tende a ser maior, necessitando que o indivíduo seja tratado com mais de uma dose para poder se manter imune a doença.

A vacina inativa para tétano, popularmente conhecida como antitetânica, pode ser aplicada de maneira preventiva ou após uma possível infecção da bacteriana do tétano, como a mordida de um cachorro, por exemplo. Esse tipo de vacina tem validade de aproximadamente dez anos, necessitando que o indivíduo retorne ao centro médico para mais uma dose após esse prazo.

É bom mencionar que uma vacina não anula a outra. Ou seja, não são alternativas, mas sim meios de prevenção tratamento. No caso da poliomielite infantil, é utilizado no ciclo de prevenção as vacinas do tipo inativada e atenuada. O tipo e frequência é alterada de acordo com o objetivo e planejamento prévio de imunidade populacional.

 

A importância da vacina para um ambiente social

vacina-microbiologia

O ser humano tende a ser egoísta em diversos assuntos, principalmente quando falamos de saúde. A vacina, como já salientado, serve para proteger o organismo de infecções nocivas, seja bacteriana ou viral. Desse modo, se você estiver vacinado, o seu corpo estará protegido de uma doença. No entanto, a função de algumas vacinas é de proteger o coletivo além do individual.

Um bom exemplo disso é a vacina inativada de influenza, a famosa vacina na gripe. Essa vacina demora a fazer efeito, por isso que muitas pessoas dizem ficar doentes após a vacinação, mas isso é uma inverdade ilusória. Nesses casos o indivíduo já estava com o vírus, mas os efeitos só apareceram depois, antes mesmo que a vacina consiga fazer efeito.

A vacina de influenza tem um ciclo de dosagem muito menor que o tétano e seu uso é muito mais válido para o coletivo do que o individual. Essa vacina inativada visa proteger um grupo, pois uma pessoa que não fica doente, se torna menos eficaz em transmitir o vírus. Ou seja, se o indivíduo A está vacinado, a probabilidade do B ficar doente é muito menor.

No entanto, esse sistema só tem efeito se houver a colaboração mutua da sociedade. Se apenas o A se vacinar, o vírus da gripe continuará a infectar as pessoas e provocar doenças em um ciclo comum. É exatamente por isso que a vacinação é extremamente importante. Além de proteger a si mesmo, você protege a pessoa do seu lado.

 

Referências utilizadas

https://www.casadevacinasgsk.com.br/sobre_vacinas/tipo

http://www.imuniza.com.br/Vacinacao/Tipos-de-vacina/

http://www.vacinas.com.pt/vacinas/tipos-de-vacinas

http://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/82-vacinas-poliomielite

 

Por: Marina Caxias | Texto Aprovado pelo Conselho Científico do Instituto Biomédico – IBAP

Este artigo faz parte da série de textos sobre microbiologia. Para ler o próximo artigo da série clique aqui.

 

PRÓXIMO ARTIGO>>>>>>>

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.