Os perigos da automedicação

07 abr
Postado por Categoria: Blog

A automedicação é uma prática perigosa que pode provocar sérios problemas, além de não resolver os antigos. No artigo de hoje, vamos falar sobre os perigos da automedicação e os males que ela pode causar.

As pessoas possuem o hábito de utilizar medicamentos por conta própria sempre que uma dor de cabeça aparece, ou para aliviar uma tensão muscular. Algumas vão além, e pedem a ajuda de amigos e conhecidos para encontrar um medicamento que seja eficiente para as suas dores.

No entanto, o que pode ser visto como uma solução rápida para aliviar dores e sensações incômodas, pode acabar se tornando um grande problema e provocando consequências mais graves do que você imagina.

Os perigos da automedicação

O uso de medicamentos por conta própria e sem prescrição médica pode agravar ainda mais algumas doenças, que por serem erroneamente medicadas, têm seus sintomas escondidos e reaparecem tempos mais tarde, muito mais graves do que antes.

É preciso tomar muito cuidado com os perigos da automedicação, principalmente em relação aos antibióticos. O uso indiscriminado dessa classe de medicamentos é capaz de facilitar o aumento da resistência de determinados micro-organismos, comprometendo a eficácia de tratamentos futuros.

Outro grande problema relacionado à medicação está na combinação inadequada de substâncias. Em muitos casos, um pode acabar anulando ou potencializando os efeitos do outro e provocando reações desastrosas no organismo.

Automedicação não é brincadeira!

A mídia e os veículos de comunicação em geral, insistem em propagar a ideia da automedicação por meio das propagandas constantes que exaltam os benefícios dos medicamentos. Ao final de cada uma dessas propagandas, aparece a clássica mensagem “ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado”.

Bom, na verdade é aí que mora o erro. O profissional de saúde não deverá ser consultado quando (e se) os sintomas persistirem, mas sim, no exato momento em que eles aparecem. Como já falamos, a automedicação tem o poder de mascarar sintomas que podem estar relacionados a doenças graves, e é preciso ter a opinião de um profissional antes de utilizar quaisquer medicamentos.

Embora esse tipo de propaganda seja regularizada no Brasil, não há qualquer tipo de regularização para as pessoas que se automedicam. A prática, que acabou se tornando praticamente um hábito entre os brasileiros, só conhece limites quando se depara com a restrição de um determinado medicamento.

Geralmente, os medicamentos mais “pesados”, como os de tarja preta, por exemplo, só são vendidos mediante prescrição médica, ainda que algumas pessoas consigam comprá-los misteriosamente sem a apresentação de tais documentos.

Com a exceção desses medicamentos, e de alguns antibióticos, a maioria dos medicamentos permanece nas prateleiras das farmácias livremente, estampando uma verdadeira vitrine, para que as pessoas olhem para eles e decidam por conta própria qual é o melhor para si.

Os perigos da automedicação

Os Riscos da Automedicação

Esse tipo de prática pode oferecer perigos muito maiores do que imaginamos, principalmente para pessoas que sofrem de depressão e distúrbios psicológicos. Utilizar uma combinação de medicamentos para dormir pode ser considerado um hábito comum para essas pessoas, o que acaba desencadeando situações gravíssimas.

É importante que os profissionais de saúde alertem seus pacientes sobre os riscos da automedicação. Muita gente já ouviu falar sobre o termo, mas poucas sabem o que ele realmente significa e quais são os seus verdadeiros riscos.

Quando as palavras saem da boca de um profissional, elas se tornam mais confiáveis, e é por isso que é tão importante fazer esse alerta. Por mais que os órgãos de saúde façam campanhas inteiras voltadas à conscientização das pessoas para os riscos da automedicação, ainda tem muita gente que é adepto dessa prática.

Não permita que a automedicação tome as rédeas da sua vida, cuide da sua saúde como ela merece!

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.