Fatores genéticos e fumar elevam risco de bronquite crônica

Fatores genéticos e fumar elevam risco de bronquite crônica

19 maio
Postado por Categoria: Blog

De acordo com pesquisadores na Suécia, baseados em um estudo de mais de 40 mil gêmeos suecos, foi confirmado que os genes desempenham um papel importante no desenvolvimento de bronquite crônica da mesma maneira que o tabagismo é um fator de risco.

“O fumante tem um comportamento genético conhecido e o tabagismo é o fator de risco principal para bronquite crônica”, escreveu Jenny Hallberg, do Departamento de Ciências da Saúde Pública no Instituto Karolinska, em Estocolmo. A herança genética representa 40% do risco de bronquite crônica, porém, 14% do risco genético, também foi ligado a uma predisposição genética para o fumo. A bronquite crônica juntamente com o enfisema conta como a maioria dos casos de doenças pulmonares obstrutiva crônica, ou COPD (Sigla inglesa).

Os pesquisadores fizeram a análise de triagem com todos os gêmeos vivos conhecidos na Suécia nascidos em 1958 ou antes. O estudo incluiu perguntas sobre zygosity – se os gêmeos compartilhavam 100% ou 50% do seu material genético – história de fumo e uma lista de doenças comuns. A entrevista teve perguntas específicas de rastreio para determinar se o indivíduo tinha bronquite crônica.

Os pesquisadores utilizaram os dados da pesquisa e modelagem estatística para separar as influências genéticas e ambientais que compunham o risco individual de desenvolver bronquite crônica: fatores genéticos, ambientais compartilhados (isto é, vividos por ambos os gêmeos) e ambientais não-compartilhados.

DNA structure model on white surface

“O estudo sueco de base populacional sobre o registro de gêmeos mostrando um efeito genético para o desenvolvimento de bronquite crônica que não difere por sexo é o primeiro a nosso conhecimento para quantificar a hereditariedade da doença”, disse a Dr. Hallberg.

Como a bronquite tinha sido previamente relatada para ser mais prevalente em mulheres, os resultados apontaram para uma série de possibilidades intrigantes. “É possível que as mulheres sejam mais propensas a relatar sintomas”, continuou ela. “Ou, mais provavelmente, o efeito do tabagismo poderia ser mais prejudicial para as mulheres devido aos seus pulmões serem menores (a exposição à fumaça de cigarro em relação ao tamanho do corpo)”.

Dr. Hallberg advertiu que a constatação de que os fatores genéticos que contribuem para a bronquite crônica foram largamente independentes dos que contribuem para fumar, não devendo ser interpretada no sentido de que fumar não tem efeito sobre a bronquite crônica. “Embora tenha havido interações genéticas, é seguro dizer que fumar em si, e não os genes que predispõem o fumo, é um fator de risco maior no desenvolvimento de bronquite crônica de exposições ambientais – principalmente fumar – de predisposição genética. Isto é verdade para homens e mulheres “, disse a Dr. Hallberg.

Os pesquisadores estão trabalhando atualmente em um estudo clínico de seguimento que está se relacionando medidas clínicas da função pulmonar à obstrução. “Acreditamos que é importante incluir também testes de função pulmonar de desembaraçar se há diferenças genéticas por sexo”, disse a Dr. Hallberg. “Também há dados na literatura que fatores sociais têm uma importância diferente para o comportamento do fumo em homens e mulheres. Nós sabemos muito menos sobre influências genéticas”.

Fonte: www.eurekalert.org

Por: Marina da Silva Caxias | Texto Aprovado pelo Conselho Científico do Instituto Biomédico – IBAP

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.