Estudo descobre que a resposta do cérebro a exclusão social é diferente em jovens usuários de maconha

19 maio
Postado por Categoria: Blog

Um estudo feito por pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH) considerou que o cérebro de jovens adultos usuários de maconha reage de forma diferente à exclusão social do que a dos não-usuários. A pesquisa relatou a ativação da insula, região do cérebro geralmente ativa durante a rejeição social, foi reduzida em jovens usuários de maconha quando eles estavam sendo excluídos da participação no jogo virtual de captura.

“Apesar de sabermos que os grupos de pares são um dos mais importantes preditores de uso de maconha em jovens adultos, sabemos muito pouco sobre os correlatos neurais da rejeição social em aqueles que usam a maconha”, diz Jodi Gilman, PhD, do MGH Center for Addiction Medicine, e principal autor do artigo. “A redução inesperada em resposta insula pode indicar que os usuários de maconha são menos conscientes das normas sociais ou reduziram capacidade de refletir sobre situações sociais negativos, mas que atualmente são incapazes de determinar se essas diferenças no processamento neural são uma causa ou um resultado do uso de maconha.”

Diversos estudos têm mostrado que adolescentes e jovens adultos usuários de maconha são mais propensos quando mais velhos de se tornarem dependentes ou de desenvolver problemas de pensamento e aprendizagem. Outros estudos mostraram que jovens isolados são mais propensos a usaram do tabaco, quanto que outro estudo descobriu que os jovens que estavam socialmente isolados eram mais propensos a usar substâncias se eles tivessem contato com algum grupo que tivessem contato com algum tipo de substância.

size_810_16_9_maconha

O estudo avaliou 42 jovens adultos entre 18 e 25 anos matriculados na universidade de Boston – 20 eram usavam maconha ao menos quatro vezes por semana e 22 relataram nenhum uso recente da droga. Inicialmente foi dito para os estudantes que eles estavam sendo avaliados para sua capacidade de visualização mental, eles participaram de uma tarefa computadorizada chamada Cyberball, conhecida por ser uma ferramenta para avaliar à rejeição social e ostracismo.

Foi informado de que eles iriam jogar um jogo online de “catch” com dois outros indivíduos e foi solicitado para que imaginassem experiência tão vividamente quanto puderem.

O que eles não sabiam é que não havia outros jogadores e que o sistema foi programado para variar o número de vezes que a bola foi lançada para o participante. Depois de um período durante o qual o participante recebeu a bola 75% do tempo, houve um segundo período quando a bola não foi jogada para o participante, seguido por um terceiro período durante o qual o participante foi novamente incluído no jogo. Após a sessão, todos os participantes foram informados de que tinha jogado contra um computador e foram questionados sobre a angústia que sentiram durante o período de exclusão, entre outras questões.

Sobre o resultado da avaliação, Gilman explica: “Por enquanto acreditamos que esse estudo indica que a resposta neural de exclusão social é diferente entre usuários de maconha entre aqueles que não usam”. “É difícil especular se isso se traduz em diferenças reais no comportamento social em reais situações. Isso é definitivamente uma área para estudos futuros, como desembaraçar se o processamento social alterado contribui ou se é um resultado do uso da maconha”, concluiu.

 

Fonte: Source: Gilman J, Curran M, Calderon V, Schuster R, Evins A. Altered Neural Processing to Social Exclusion in Young Adult Marijuana Users. Biological Psychiatry: Cognitive Neuroscience and Neuroimaging . 2016.

Por: Marina da Silva Caxias | Texto Aprovado pelo Conselho Científico do Instituto Biomédico – IBAP

Nenhum comentário ainda

You must be logado em para post a comment.