Como ser um perito criminal? Saiba mais sobre a carreira!

17 maio
Postado por IBAP Cursos Categoria: Blog

 

Trabalhar na investigação de crimes fazendo uso da ciência, da técnica e da inteligência analítica. Esse é o trabalho do perito criminal, constantemente retratado em séries televisivas de sucesso como CSI e Criminal Minds.

É claro que em um seriado de TV qualquer profissão é glamourizada, extrapolando a realidade que existe na prática profissional. Mesmo assim, é preciso reconhecer: a carreira de perito criminal é de fato umas das mais interessantes, cuja rotina é muito pouco previsível. A palavra “perito”, em linhas gerais, quer dizer “expert”, ou aquele que possui habilidades muito específicas e avançadas em um determinado campo de atuação. Neste texto você encontrará respostas para as seguintes perguntas:

 

O que faz um Perito Criminal?

Quais as áreas da Perícia?

Quem pode ser Perito Criminal?

Como ser um perito criminal?

Quais são as diferenças entre Perito civil e federal?

Como são os salários dos Peritos Criminais no Brasil?

Vale a pena fazer pós-graduação em perícia criminal?

Como é a Pós-graduação em Perícia Criminal do IBAP Cursos?

 

 

 

1) O que faz um Perito Criminal?

 

Muitas pessoas sonham com uma carreira como esta, pois se sentem estimuladas pelos desafios e quebra de rotina que ela proporciona, mas é necessário ter em mente que um perito criminal também carrega consigo uma grande responsabilidade: ele precisa analisar cenas, corpos e outros elementos envolvidos em crimes e, baseado em vestígios e evidências (que passariam despercebidos para qualquer um de nós, até mesmo os mais observadores), chegar, juntamente com sua equipe de profissionais, a uma conclusão do que realmente ocorreu.

Aliás, ser detalhista e gostar de análises minuciosas são grandes qualidades para quem pensa em tornar-se perito. Mas só isso não é suficiente, pois é através de sua formação que ele poderá fazer a análise de locais e instrumentos utilizados ou presumidos em crimes. Além disso, ele coletará dados e fará pesquisas que, cruzadas com as evidências, poderão levar à descoberta da verdade. Ele também zela para que as leis sejam devidamente cumpridas durante o processo, seja em âmbito administrativo ou pericial. O foco principal do seu trabalho consiste em materializar as provas que serão apresentadas no processo penal.

Não é ele quem vai concluir quem é o culpado ou se realmente houve um crime. Ele juntará os vestígios, a cena como um todo e as evidências, e produzirá a prova que constará do processo. Portanto, trata-se de apenas uma parte do procedimento e não de uma investigação que se faz sozinho. É por isso que o cargo é de grande responsabilidade: é a partir da análise feita durante a perícia que se produzirão as provas para outros departamentos analisarem. Portanto, além do conhecimento técnico e formação em alguma área de especialidade, é preciso a formação específica para atuar como perito.

O perito pode agir a mando do Ministério Público ou da autoridade judicial ou policial para fazer uma espécie de reconstituição da cena do crime e realização de análises laboratoriais. Apesar disso, o profissional não é considerado subordinado a essas autoridades que requerem as análises, visto que a lei 12030/2009 lhe confere autonomia na realização do seu trabalho. Prova disso é que, em alguns lugares, os Institutos de Pesquisas Criminalísticas não estão mais vinculados à polícia, mas possuem administração própria. Essa é uma tendência que provavelmente se tornará padrão para todos os Estados pelas próximas décadas.

Segundo a CBO, podemos citar como atividades dos Peritos Criminais (Perito criminal federal, Perito criminalístico, Perito criminalístico engenheiro, Perito criminalístico químico, Perito oficial):

Elaborar laudo pericial criminal, organizando provas e determinando as causas dos fatos.

Examinar locais de crime, buscando evidências, selecionando e coletando indícios materiais e encaminhando peças para exames com ou sem quesitos.

Reconstituir fatos, analisar peças, materiais, documentos e outros vestígios relacionados a crimes, fotografando e identificando as peças e materiais e definindo tipo de exame.

Efetuar medições e ensaios laboratoriais, utilizando e desenvolvendo técnicas e métodos científicos.

 

 

 

2) Quais as áreas da Perícia?

 

A Perícia é uma área muito abrangente, e engana-se quem acha que para ser perito criminal precisa, necessariamente, estar na cena do crime. Há diversas funções a serem executadas na perícia – neste artigo conheceremos suas áreas e como cada uma age para desvendar um crime ou um problema.

Existe em torno de 14 tipos de funções exercidas como perito e cada uma com sua especificidade. Vamos a algumas delas:

 

2.1) Perícia em Informática

O perito em informática trabalha com crimes que envolvem a internet, ou seja, o trabalho é minucioso e vai desde descobrir o local do crime até descobrir as mídias armazenadas em celulares ou computadores, identificação em sites ilegais, rastreamento de mensagens eletrônicas. Enfim, tudo que acontece no meio da internet.

Os crimes que mais aparecem para os peritos em informática são crimes de exploração sexual e fraude ou roubo de instituições financeiras.

Em paralelo ao perito em informática há o perito de audiovisual e eletrônicos. Esse profissional visa selecionar os crimes de clones de cartões de crédito, rádios piratas, instituições fraudulentas, entre outros. O perito em audiovisual e eletrônicos examina se há montagens, fraudes em gravações de áudios e vídeos, entre outras atividades.

 

2.2) Perícia Financeira e Contábil

Peritos nas áreas financeira e contábil vão atrás dos crimes famosos como colarinho branco, sonegação de impostos, corrupção, lavagem de dinheiro e declaração de imposto de renda, entre outros.

 

2.3) Perícia em Química Forense

Examina e cria novas ferramentas para analisar exames de droga, agrotóxicos, tintas, alimentos, bebidas, explosivos, fertilizantes etc. Os peritos em química forense recebem um material e precisam descobrir as substâncias e quantidades que existem naquele material. Trabalham em grandes laboratórios forenses espalhados pelo Brasil.

 

2.4) Perícia de Engenharia

Os peritos de engenharia trabalham a fim de descobrir o porquê de uma barragem ter se rompido, o superfaturamento de uma obra, se a rede de esgoto foi construída corretamente. Tudo que envolve construção o perito em engenharia está presente. Ele analisa corretamente desde as causas de desmoronamento até as finanças de uma obra.

 

2.5) Peritos criminais no local de crime

Esse é a função do perito mais conhecida. O perito vai até o local do crime, fotografa, colhe todos os vestígios do crime e depois faz a análise em laboratório.

Os peritos em locais do crime são chamados para os mais diferentes tipos de crimes como incêndio, homicídios, acidentes de trânsito, ameaças desde químicas a nucleares, entre outros.

 

2.6) Perícia de Meio Ambiente

Peritos de meio ambiente estão envolvidos em crimes contra a flora e a fauna brasileiras, além de extração de minério, poluição e tudo que envolve o meio ambiente, até análise em sítios arqueológicos.

 

2.7) Peritos em Genética Forense

Os responsáveis por identificar DNA de seres humanos, vegetais e animais. Eles trabalham, exclusivamente, em Brasília, no Instituto Nacional de Criminalística.

Em humanos, os peritos examinam quaisquer vestígios de material biológico, como sêmen, sangue, saliva, entre outros.

 

 

3) Quem pode ser Perito Criminal?

 

No Brasil, o ingresso na carreira, seja civil ou federal, exige, além do diploma universitário e da formação específica (em muitos casos), a aprovação em concurso público. Isso porque é necessário ser muito bem qualificado para poder buscar a verdade material embasado somente nas informações técnicas disponíveis. Ele deve ser imparcial, e não pode acusar ou suspeitar, devendo apenas transmitir as informações técnicas disponíveis e os resultados dos exames laboratoriais realizados para apuração do caso.

O perito não precisar ser, necessariamente, um policial. Via de regra, exige-se basicamente formação em Biologia, Biomedicina, Direito, Engenharia (Civil, Elétrica, Agronômica, Química, Mecânica ou Mecatrônica), Farmácia, Psicologia, Medicina, Medicina Veterinária, Física, Ciências Contábeis, Odontologia, Farmácia, entre outros cursos.

A perícia criminal pode tanto atuar em um local onde fora cometido um crime (chamada “perícia de natureza externa”) quanto dentro dos Institutos de Criminalística, Institutos de Perícia, Institutos de Identificação e de unidades da Polícia Científica (“perícia de natureza interna”).

Devido às responsabilidades ligadas à área, o trabalho assim realizado é classificado como atividade de alta complexidade. Aliando seus conhecimentos à análise científica de amostras produzidas e abandonadas no local de um crime, o perito busca aquilo que considera prova técnica ou pericial, uma chave essencial para a elucidação dos casos investigados pela justiça.

A perícia de natureza externa examina os locais de delito, examinando e interpretando a cena do crime, providenciando a identificação, o registro e a coleta dos vestígios presentes no local, reunindo as provas que serão usadas no decorrer do processo penal.

Já as atribuições do perito interno envolvem os testes e a análise detalhada de todas as provas coletadas durante o trabalho de campo, empregando técnicas do ramo da ciência criminalística, tais como engenharia legal, documentoscopia, computação e/ou química forense, entre outros expedientes. Em resumo, a missão do perito é a de ajudar os investigadores a restabelecerem os fatos e contribuir para que se chegue à autoria do crime em questão.

 

4) Como ser um perito criminal?

 

Depois de assistir a uma temporada de alguma série sobre perícia criminal, é bem comum que surja aquela vontade de trabalhar na área, solucionando crimes e fazendo justiça, não é mesmo?

A carreira de perícia criminal costuma ser atrativa no meio público. Através de concursos, com altas remunerações, selecionam-se candidatos que posteriormente atuarão como peritos, produzindo e avaliando provas que objetivem a resolução de crimes.

Os editais de concurso exigem, como requisito básico, que o candidato tenha uma graduação de nível superior para concorrer a vaga. Entretanto, muitas vezes não existe uma especificação sobre qual curso.

Nestes casos, após ser testado e aceito pelo órgão, esses candidatos fazem um curso específico que o forma como perito. Este curso tem uma duração média de 300 horas de carga horária, e é focado na área em que o contratado irá atuar.

O aprimoramento dos peritos deve ser constante, visto que a cada momento surgem novas ferramentas que melhoram e agilizam todo o trabalho criminal. Conhecer cada novo recurso é essencial para resolver crimes com mais rapidez e precisão.

 

 

5) Quais são as diferenças entre perito civil e federal?

Ambos fazem uso das prerrogativas descritas anteriormente, porém há diferenças de acordo com a esfera de atuação. O perito criminal civil (remunerado pelos Estados) realiza, entre outras ocorrências, perícias de acidentes de trânsito, por exemplo, enquanto que o perito federal atua, necessariamente, em situações que envolvam interesses da União. Em âmbito Federal, os peritos se utilizam da informática e química forenses, documentoscopia, perícia financeira e contábil, dentre outros recursos.

 

5.1) A carreira de perito criminal: por que ela é tão interessante?

 

Além de ter muito brilho e destaque, a carreira dentro da perícia criminal é um sonho para muita gente que deseja resolver crimes e ajudar a justiça.

A remuneração também é bastante atrativa. Em média, o salário mínimo de um perito criminal no Brasil é superior a R$ 5 mil reais, podendo este salário ser multiplicado em até quatro vezes conforme o tempo e o cargo dentro do órgão (veja o próximo tópico).

 

 

6) Como são os salários do Peritos Criminais no Brasil?

 

O Perito Criminal é um servidor público, responsável por atuar no sentido de promover a justiça em seu estado. Devido à grande responsabilidade da profissão, trata-se também de um ramo de atuação que está entre os mais bem remunerados do país. Você tem ideia do quanto ganha um Perito Criminal? O salário deste profissional é diferente em cada estado do Brasil, porém, de forma geral, é possível dizer que este especialista ganha, em média, R$ 8 mil/mês.

Como já dissemos, o Perito Criminal é responsável por desenvolver a análise crítica e científica dos lugares onde os mais diversos tipos de crimes ocorrem, sendo assim, ele Perito Criminal precisa ter uma formação adequada para que tenha a capacidade de descobrir quem foi o autor do crime, ou os autores dos crimes, bem como saber informar, com embasamento científico, quais foram as armas utilizadas, o modo como o crime foi praticado e, até mesmo, como as vítimas se comportaram nesse momento.

Veja abaixo como são as remunerações em alguns estados:

Santa Catarina: R$ 5.860,00 (Lei 15.156/2010) – Perito/Legista do IGP;

Rio de Janeiro: R$ R$ 6.850,80 (Lei 3586/2001 e Lei 5767/2010) – Perito/Legista da Polícia Civil;

São Paulo: R$7.521,92/mês (Vencimento + gratificações) – Perito/Legista do SPTC;

Minas Gerais: R$7.625,49/mês (Vencimento + gratificações) – Perito/Legista da Polícia Civil;

Roraima: R$ 9.286,31 (DOE-RR 04/07/2012) – Perito/Legista da Polícia Civil;

Distrito Federal: R$ 14.037,11 (Lei 12804/13 DF) – Perito/Legista da Polícia Civil;

7) Vale a pena fazer pós-graduação em perícia criminal?

 

E em meio a todo esse contexto, uma pergunta se faz bastante presente na rotina de alguns dos profissionais que estão interessados em ingressar na área: vale a pena fazer pós-graduação em perícia criminal?

Com salários médios e iniciais de R$ 8 mil reais, com expectativas de cargos que cheguem a ter uma remuneração superior aos R$ 20 mil mensais, com certeza vale a pena se dedicar e especializar em perícia criminal, não é mesmo?

 

7.1) Quem pode fazer a pós, e qual o conteúdo ensinado?

 

Os concursos públicos que visam contratar peritos, em sua maioria, exigem curso de nível superior sem, entretanto, especificar de qual curso.

Os conteúdos abordados pela pós-graduação têm como principal objetivo preparar o profissional para atuar em cenas de crime e por isso mesmo oferece um grande leque de assuntos que podem ser posteriormente utilizados para resolver dúvidas nesses ambientes.

Veja alguns exemplos de tópicos estudados ao longo de todo o curso:

Balística forense: Estudo dos projéteis e suas respectivas trajetórias em uma cena de crime. Esta área tem como foco as armas de fogo, identificando de onde partiram os disparos, por exemplo;

Criminalística: Matéria que tem por objetivo elucidar crimes e encontrar possíveis responsáveis para ele;

Genética forense: Área em que a genética ajuda a justiça a identificar e definir vitimas e autores de crimes;

Laudo pericial: Relato detalhado sobre todas as avaliações feitas pelo perito criminal sobre a cena do crime e até mesmo sobre as vitimas e demais circunstâncias; e

Toxicologia forense: Parte da perícia criminal que determina a influência de agentes tóxicos no organismo humano.

 

Esses são alguns dos muitos conteúdos abordados na Pós-graduação em Perícia Criminal. Como se vê, cada assunto é realmente importante para o dia a dia da profissão, o que comprova o quanto é importante investir na área.

 

8) Como é a Pós-graduação em Perícia Criminal do IBAP Cursos?

 

Proporcionando certificado reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), nosso curso de pós-graduação possui duração de dois anos (24 meses) e pode ser realizado por profissionais graduados, como Biólogos, Advogados, Farmacêuticos, Biomédicos, Odontólogos e Médicos, bem como pode ser realizado por quaisquer profissionais com diploma de curso superior com interesse em adquirir, ou ampliar, os seus conhecimentos na área forense.

Ao longo do curso de pós-graduação em Perícia Criminal, o aluno deverá desenvolver a capacidade de, por meio da evolução da ciência e da tecnologia, saber utilizar todas as ferramentas necessárias para desvendar crimes e conseguir obter provas científicas de como esses crimes ocorreram, bem como em quais circunstâncias ocorreram. Vale ressaltar que o curso leva em consideração a nova alteração do Código de Processo Penal.

Ao concluir o programa de pós-graduação em Perícia Criminal você se tornará Especialista em Perícia Criminal: Biologia e Ciências Forenses e estará tecnicamente qualificado e capacitado para analisar e elaborar os laudos técnicos emitidos nas áreas abrangidas pelas matérias ministradas durante o curso, assim como estará habilitado para atuar tanto como perito judicial, quanto assistente técnico.

Ainda em dúvida se realmente vale a pena fazer uma pós nesta área? Aproveite então e solicite mais informações sobre o curso! Você também pode fazer sua inscrição para concorrer a bolsas integrais para a sua formação!

 

  1. Ivete Serra dos Santos disse:

    Oi
    Qual o primeiro passo para ser um perito.
    Sou de Tapira Pr qual local mas proxmo a fazer o curso???

You must be logado em para post a comment.